Pesquisar este blog

Carregando...

Compartilhe



segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Martírio de São João Batista, o último e maior dos profetas

Martírio de São João BatistaDe altas virtudes e rigorosas penitências, anunciou o advento do Cristo e ao denunciar os vícios e injustiças deixou Deus conduzí-lo
Com satisfação lembramos a santidade de São João Batista que, pela sua vida e missão, foi consagrado por Jesus como o último e maior dos profetas: “Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João, o Batista…De fato , todos os profetas, bem como a lei, profetizaram até João. Se quiserdes compreender-me, ele é o Elias que deve voltar.” (Mt 11,11-14)
Filho de Zacarias e Isabel, João era primo de Jesus Cristo, a quem “precedeu” como um mensageiro de vida austera, segundo as regras dos nazarenos.
São João Batista, de altas virtudes e rigorosas penitências, anunciou o advento do Cristo e ao denunciar os vícios e injustiças deixou Deus conduzí-lo ao cumprimento da profecia do Anjo a seu respeito: “Pois ele será grande perante o Senhor; não beberá nem vinho, nem bebida fermentada, e será repleto do Espírito Santo desde o seio de sua mãe. Ele reconduzirá muitos dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus: e ele mesmo caminhará à sua frente…” ( Lc 1, 15)
São João Batista desejava que todos estivessem prontos para acolher o Mais Forte por isso, impelido pela missão profética, denunciou o pecado do governador da Galileia: Herodes, que escandalosamente tinha raptado Herodíades – sua cunhada – e com ela vivia como esposo.
Preso por Herodes Antipas em Maqueronte, na margem oriental do Mar Morto, aconteceu que a filha de Herodíades (Salomé) encantou o rei e recebeu o direito de pedir o que desejasse, sendo assim, proporcionou o martírio do santo, pois realizou a vontade de sua vingativa mãe: “Quero que me dês imediatamente num prato, a cabeça de João, o Batista” (Mc 6,25)
Desta forma, através do martírio, o Santo Precursor deu sua vida e recebeu em recompensa a Vida Eterna reservada àqueles que vivem com amor e fidelidade os mandamentos de Deus.
São João Batista, rogai por nós!

domingo, 28 de agosto de 2016

22º Domingo do Tempo Comum - 28/08/2016

Anúncio do Evangelho (Lc 14,1.7-14)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
1Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. 7Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola:
8“Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, 9e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar.
10Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. 11Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado”.
12E disse também a quem o tinha convidado: “Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. 13Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. 14Então tu serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Santo Agostinho, grande Bispo e Doutor da Igreja

Santo AgostinhoDepois de “perder” sua mãe, voltou para a África, onde fundou uma comunidade cristã ocupada na oração, estudo da Palavra e caridade
Celebramos neste dia a memória do grande Bispo e Doutor da Igreja que nos enche de alegria, pois com a Graça de Deus tornou-se modelo de cristão para todos. Agostinho nasceu em Tagaste, no norte da África, em 354, filho de Patrício (convertido) e da cristã Santa Mônica, a qual rezou durante 33 anos para que o filho fosse de Deus.
Aconteceu que Agostinho era de grande capacidade intelectual, profundo, porém, preferiu saciar seu coração e procurar suas respostas existentes tanto nas paixões, como nas diversas correntes filosóficas, por isso tornou-se membro da seita dos maniqueus.
Com a morte do pai, Agostinho procurou se aprofundar nos estudos, principalmente na arte da retórica. Sendo assim, depois de passar em Roma, tornou-se professor em Milão, onde envolvido pela intercessão de Santa Mônica, acabou frequentando, por causa da oratória, os profundos e famosos Sermões de Santo Ambrósio. Até que por meio da Palavra anunciada, a Verdade começou a mudar sua vida.
O seu processo de conversão recebeu um “empurrão” quando, na luta contra os desejos da carne, acolheu o convite: “Toma e lê”, e assim encontrou na Palavra de Deus (Romanos 13, 13ss) a força para a decisão por Jesus:“…revesti-vos do Senhor Jesus Cristo…não vos abandoneis às preocupações da carne para lhe satisfazerdes as concupiscências”.
Santo Agostinho, que entrou no Céu com 76 anos de idade (no ano 430), converteu-se com 33 anos, quando foi catequizado e batizado por Santo Ambrósio. Depois de “perder” sua mãe, voltou para a África, onde fundou uma comunidade cristã ocupada na oração, estudo da Palavra e caridade. Isto, até ser ordenado Sacerdote e Bispo de Hipona, santo, sábio, apologista e fecundo filósofo e teólogo da Graça e da Verdade.
Santo Agostinho, rogai por nós!

sábado, 27 de agosto de 2016

Santa Mônica, mãe de Santo Agostinho

Santa MônicaCelebramos a memória desta grande santa, que nos provou com sua vida que realmente “tudo pode ser mudado pela força da oração”
Santa Mônica nasceu no norte da África, em Tagaste, no ano 332, numa família cristã que lhe entregou – segundo o costume da época e local – como esposa de um jovem chamado Patrício.
Como cristã exemplar que era, Mônica preocupava-se com a conversão de sua família, por isso se consumiu na oração pelo esposo violento, rude, pagão e, principalmente, pelo filho mais velho, Agostinho, que vivia nos vícios e pecado. A história nos testemunha as inúmeras preces, ultrajes e sofrimentos por que Santa Mônica passou para ver a conversão e o batismo, tanto de seu esposo, quanto daquele que lhe mereceu o conselho: “Continue a rezar, pois é impossível que se perca um filho de tantas lágrimas”.
Santa Mônica tinha três filhos. E passou a interceder, de forma especial, por Agostinho, dotado de muita inteligência e uma inquieta busca da verdade, o que fez com que resolvesse procurar as respostas e a felicidade fora da Igreja de Cristo. Por isso se envolveu em meias verdades e muitas mentiras. Contudo, a mãe, fervorosa e fiel, nunca deixou de interceder com amor e ardor, durante 33 anos, e antes de morrer, em 387, ela mesma disse ao filho, já convertido e cristão: “Uma única coisa me fazia desejar viver ainda um pouco, ver-te cristão antes de morrer”.
Por esta razão, o filho Santo Agostinho, que se tornara Bispo e doutor da Igreja, pôde escrever: “Ela me gerou seja na sua carne para que eu viesse à luz do tempo, seja com o seu coração para que eu nascesse à luz da eternidade”.
Santa Mônica, rogai por nós!

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Santa Rosa de Lima, primeira santa da América do Sul

Santa Rosa de LimaNa oração, penitência, caridade para com todos, principalmente índios e negros, Santa Rosa de Lima cresceu na união com Cristo
Para todos nós, hoje é dia de grande alegria, pois podemos celebrar a memória da primeira santa da América do Sul, Padroeira do Peru, das Ilhas Filipinas e de toda a América Latina. Santa Rosa nasceu em Lima (Peru) em 1586; filha de pais espanhóis, chamava-se Isabel Flores, até ser apelidada de Rosa por uma empregada índia que a admirava, dizendo-lhe: “Você é bonita como uma rosa!”.
Rosa bem sabia dos elogios que a envaideciam, por isso buscava ser cada vez mais penitente e obedecer em tudo aos pais, desta forma, crescia na humildade e na intimidade com o amado Jesus. Quando o pai perdeu toda a fortuna, Rosa não se perturbou ao ter que trabalhar de doméstica, pois tinha esta certeza: “Se os homens soubessem o que é viver em graça, não se assustariam com nenhum sofrimento e padeceriam de bom grado qualquer pena, porque a graça é fruto da paciência”.
A mudança oficial do nome de Isabel para Rosa ocorreu quando ela tomou o hábito da Ordem Terceira Dominicana, da mesma família de sua santa e modelo de devoção: Santa Catarina de Sena e, a partir desta consagração, passou a chamar-se Rosa de Santa Maria. Devido à ausência de convento no local em que vivia, Santa Rosa de Lima renunciou às inúmeras propostas de casamento e de vida fácil: “O prazer e a felicidade de que o mundo pode me oferecer são simplesmente uma sombra em comparação ao que sinto”.
Começou a viver a vida religiosa no fundo do quintal dos pais e, assim, na oração, penitência, caridade para com todos, principalmente índios e negros, Santa Rosa de Lima cresceu na união com Cristo, tanto quanto no sofrimento, por isso, tempos antes de morrer, aos 31 anos (1617), exclamou: “Senhor, fazei-me sofrer, contanto que aumenteis meu amor para convosco”.
Foi canonizada a 12 de abril de 1671 pelo Papa Clemente X.
Santa Rosa de Lima, rogai por nós!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Nossa Senhora Rainha - Mãe da Igreja

Nossa Senhora RainhaNossa Senhora é aquela que do Céu reina sobre as almas cristãs, a fim de que haja a salvação
Instituída pelo Papa Pio XII, celebramos hoje a Memória de Nossa Senhora Rainha, que visa louvar o Filho, pois já dizia o Cardeal Suenens: “Toda devoção a Maria termina em Jesus, tal como o rio que se lança ao mar”.
Paralela ao reconhecimento do Cristo Rei encontramos a realeza da Virgem a qual foi Assunta ao Céu. Mãe da Cabeça, dos membros do Corpo místico e Mãe da Igreja; Nossa Senhora é aquela que do Céu reina sobre as almas cristãs, a fim de que haja a salvação: “É impossível que se perca quem se dirige com confiança a Maria e a quem Ela acolher” (Santo Anselmo).
Nossa Senhora Rainha, desde a Encarnação do Filho de Deus, buscou participar dos Mistérios de sua vida como discípula, porém sem nunca renunciar sua maternidade divina, por isso o evangelista São Lucas a identifica entre os primeiros cristãos: “Maria, a mãe de Jesus” (Atos 1,14). Diante desta doce realidade de se ter uma Rainha no Céu que influencia a Terra, podemos com toda a Igreja saudá-la: “Salve Rainha” e repetir com o Papa Pio XII que instituiu e escreveu a Carta Encíclica Ad Caeli Reginam (à Rainha do Céu): “A Jesus por Maria. Não há outro caminho”.
Nossa Senhora Rainha, rogai por nós!

domingo, 21 de agosto de 2016

Assunção de Nossa Senhora - Domingo 21/08/2016

Anúncio do Evangelho (Lc 1,39-56)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Naqueles dias, 39Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.
46Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, 48porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, 50e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam. 51Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes.53Encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias. 54Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”.
56Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

São Pio X, favoreceu a comunhão diária

São Pio XRealizou reformas na liturgia, favoreceu a comunhão diária e a comunhão das crianças
Celebramos hoje um Papa que mereceu ser reconhecido por santo, embora na humildade típica das almas abençoadas, José Sarto respondia àqueles que o chamavam de santo: “Não santo, mas Sarto”.
Nascido em 1835 ao norte da Itália e de família muito simples e religiosa, o pequeno José, com muito esforço e sacrifício conseguiu – com o apoio dos pais – estudar e entrar para o Seminário. Com sua permanente autodefinição: “um pobre vigário da roça”, José Sarto percorreu com simplicidade o caminho que o Espírito Santo traçou da responsabilidade de vigário de uma pequena aldeia até o Papado.
Tomando o nome de Pio X, chamava a atenção pela modéstia e pobreza que o possibilitava à vivência da sua idéia-força: “Restaurar todas as coisas em Cristo”. São Pio X foi Papa de 1903 a 1914. Ocupado com a pastoral, São Pio X realizou reformas na liturgia, favoreceu a comunhão diária e a comunhão das crianças, sendo que no campo doutrinal rebateu por amor à Verdade o relativismo moderno.
Sorridente, pai e pastor, São Pio X entrou no Céu com 79 anos, deixando para a Igreja o seu testemunho de pobreza, pois conta-se o fato, tomou dinheiro emprestado para comprar as passagens de ida e volta rumo ao conclave que o teria escolhido Papa, pois não acreditava num erro do Espírito Santo.
São Pio X, rogai por nós!

Porta estreita não é opressiva, explica o Papa no Angelus

“É uma porta estreita não porque seja opressiva  mas porque nos pede para restringirmos e contermos o nosso orgulho”, explicou o Papa Francisco

Da redação, com Rádio Vaticano
Muitos os fiéis e turistas reunidos na Praça de São Pedro para ouvir a reflexão do Papa e rezar com ele, ao meio dia, a oração mariana do Angelus, neste domingo, 21.
O Papa comentou a leitura evangélica deste XXI domingo do tempo comum, em que Jesus diz: “esforçai-vos por entrar pela porta estreita, porque muitos, digo-vos, tentarão entrar sem o conseguir”.
“É uma porta estreita não porque seja opressiva – explicou o Papa – mas porque nos pede para restringirmos e contermos o nosso orgulho, e o nosso medo, para nos abrirmos com coração humilde e cheio de confiança a Ele, reconhecendo-nos como pecadores, necessitados do seu perdão. A porta da misericórdia de Deus está sempre aberta de par em par para todos! Deus não faz diferença, mas acolhe sempre a todos, sem distinção. E a salvação que ele nos dá é um fluxo incessante de misericórdia que derruba todas as barreiras e abre surpreendentes perspectivas de luz e de paz.”
Independentemente do pecado cometido, disse o Papa, Cristo espera para abraçar e nos perdoar. “Entrando pela porta de Jesus, a Porta da fé e do Evangelho, poderemos abandonar as atitudes mundanas, os maus hábitos, os egoísmos, os fechamentos”.
Depois Francisco convidou os presentes a pensarem, em silêncio, nas coisas que estão no coração e impedem de atravessar a porta: “o meu orgulho, a minha soberba, os meus pecados. E depois pensar na outra porta, aquela aberta de par em par pela misericórdia de Deus que do outro nos espera para nos perdoar, pensemos nestas duas portas…”
O Papa continuou convidando a não desperdiçar as numerosas ocasiões de salvação e de entrar pela porta da salvação que Deus oferece. “Não se trata de fazer discursos acadêmicos sobre a salvação, mas de colher as ocasiões de salvação, até porque, recorda o Evangelho deste domingo, a um dado momento, o dono da casa pode levantar-se e fechar a porta”, advertiu.

Atentado na Turquia

Depois de rezar com os fiéis o Angelus em latim, o Papa disse ter recebido a triste notícias de um atentado sangrento que atingiu ontem a Turquia, pedindo para rezarmos pelas vítimas, pelos mortos e os feridos e para pedirmos o dom da paz para todos.

Resistindo às tentações

Materia---P---269x329
Todos nós precisamos viver como cidadãos do céu, e para isso temos de resistir às tentações.
Pegue sua Bíblia no evangelho de São Lucas, capitulo 4: “Cheio do Espírito Santo, voltou Jesus do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto, onde foi tentado pelo demônio durante quarenta dias. Durante este tempo ele nada comeu e, terminados estes dias, teve fome.
Disse-lhe então o demônio: Se és o Filho de Deus, ordena a esta pedra que se torne pão.
Jesus respondeu: Está escrito: Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra de Deus. O demônio levou-o em seguida a um alto monte e mostrou-lhe num só momento todos os reinos da terra, e disse-lhe: Dar-te-ei todo este poder e a glória desses reinos, porque me foram dados, e dou-os a quem quero. Portanto, se te prostrares diante de mim, tudo será teu. Jesus disse-lhe: Está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e a ele só servirás. O demônio levou-o ainda a Jerusalém, ao ponto mais alto do templo, e disse-lhe: Se és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Ordenou aos seus anjos a teu respeito que te guardassem. E que te sustivessem em suas mãos, para não ferires o teu pé nalguma pedra. Jesus disse: Foi dito: Não tentarás o Senhor teu Deus”.

Seja um combatente

Na luta do cristão contra satanás e as forças do mal, o principal campo de batalha são as tentações, e o diabo é o mestre em nos oferecê-las. O Senhor deixa muito claro em Sua Palavra: “Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra de Deus”. Ele esclarece que todos nós podemos lutar contra as tentações, pois foi assim que Jesus venceu cada tentação. Um ensinamento que o próprio Senhor nos ensinou foi: se você quer tirar o mal da sua vida, prostre-se diante de Deus.
Fixemos os olhos no Senhor, para aguentarmos firme as tentações. Saibamos que as tentações virão, por isso precisaremos aguentar firmes. O  combatente não pode ceder, precisa estar em estado de alerta, precisa dormir com os olhos abertos, porque, a qualquer momento, o inimigo pode aparecer. O bom combatente precisa estar preparado para o combate.
Precisamos estar em estado de alerta e atentos a tudo, pois o inimigo sabe onde irá atacar.
Foi assim que ele tentou Jesus. Cristo estava no deserto e o demônio Lhe ofereceu reinos e poderes.
Ser um combatente nos tempos de hoje é o maior desafio! Devemos ficar em estado de vigilância e oração, porque a nossa carne é fraca. Todos nós temos o pecado original, e o próprio apóstolo São Paulo, na Palavra, disse: “Não faço o bem que queria, mas o mal que não quero”. Precisamos ir à luta diária e resisti às tentações. Reconhecer as nossas fraquezas e acolher a grandeza de Deus.
Não podemos olhar para trás, não dá mais para ficarmos olhando para as cebolas do Egito. A cada dia que passa, o Senhor está mais perto. Precisamos ser feliz, precisamos de constância, mas o problema é que todos nós começamos e queremos parar no meio do caminho. Nós não podemos parar, precisamos resistir até o fim, porque Deus age em nossas vidas.
Saiba que Deus cuida de todos nós. Quantas coisas o Senhor já realizou em nossas vidas! Não podemos dar espaço aos bagulhos exteriores; a nossa humanidade, às vezes, grita, mas precisamos resistir e vencer essa luta. Levantemo-nos, pois o Senhor nunca nos deixará.
Confiemos em Deus e nada nos faltará. Sabemos que é desafiante, mas confiemos no Senhor. Sejamos combatentes, coloquemo-nos em estado de alerta e tenhamos a certeza de que nosso Senhor tem o controle de todas as coisas.
Esse acampamento ‘No combate da oração’ veio para ser um divisor de águas em sua vida. Resista até o fim e lute, coloque tudo o que você aprendeu em prática. O Senhor o chamou para ser um combatente. Nós somos um combatente e vamos até o fim.
Deus abençoe você.

Padre Bruno Costa

Sacerdote da Comunidade Canção Nova.




Fonte: http://eventos.cancaonova.com/pregacoes/resistindo-as-tentacoes/

sábado, 20 de agosto de 2016

“Missa negra” em Oklahoma revolta e mobiliza cristãos ao redor do mundo

Sob o pretexto de uma falsa “liberdade religiosa”, os adoradores de Satanás estão ganhando até espaço público para realizar as suas cerimônias macabras. Como fomos capazes, enquanto sociedade, de chegar a esse ponto?


Os cristãos do estado norte-americano de Oklahoma estão revoltados.
No próximo dia 15 de agosto, será realizada, em um espaço público da cidade de Oklahoma, capital do estado, mais uma cerimônia satânica. Trata-se de uma "missa negra", seguida de um ritual a que o grupo satânico Dakhma of Angra Mainyu Syndicate deu o nome de "consunção de Maria". A palavra "consunção", para quem não sabe, vem do verbo "consumir". O evento blasfemo tem a clara intenção de escarnecer, portanto, da solenidade que os católicos celebram nesse mesmo dia 15: a Assunção de Nossa Senhora.
O nome do grupo que organiza o evento revela bem a sua identidade: misturando elementos do zoroastrismo, a estranha expressão poderia ser traduzida como "Torre do Silêncio do Conselho de Arimã", sendo Arimã uma divindade pagã persa representativa das trevas.
Foi usando justamente o disfarce de uma "religião" — eles se denominam uma "igreja" — que os satanistas de Oklahoma conseguiram da administração local a permissão para realizarem seus rituais macabros no interior do teatro Civic Center Music Hall. Os dados do evento estão inclusive no site do centro artístico na Internet e qualquer um pode comprar bilhetes para tomar parte no (que eles chamam de) show.
Como não fosse suficiente, esta não é exatamente a primeira vez que algo do tipo acontece na cidade de Oklahoma. Em setembro de 2014, o mesmo grupo satânico realizou uma "missa negra", no mesmo local e novamente com o apoio do governo. Uma reportagem feita à época explica que o rito seria adaptado "para atender às leis", de acordo com o líder do bando, Adam Daniels. Ele disse — aos mais sensíveis, recomendamos que pulem o negrito — que, quando conduz a mesma cerimônia privadamente, esta envolve elementos como "sexo, urina e nudez".
O propósito de uma "missa negra", segundo Daniels, é "desprogramar das pessoas a influência da Igreja e do Cristianismo". Para tanto, eles usam alguns livros de ocultismo, músicas de rock (o rito de 2014, por exemplo, começava com músicas de uma banda local) e "exorcismos ao contrário" a fim de "expulsar o Espírito Santo de uma pessoa". Cerimônias assim também estão quase sempre vinculadas a profanações eucarísticas: pessoas que roubam as espécies consagradas durante a celebração de uma verdadeira Missa para realizar sacrilégios. O próprio Adam Daniels, protagonista do fato que agora reportamos, tinha sido processado em 2014 pela Arquidiocese de Oklahoma, por manter em sua posse uma Hóstia consagrada.
Na mesma ocasião, ainda há dois anos, um padre exorcista da diocese de Tulsa, a 170 quilômetros da capital, diagnosticou com precisão o que estava por trás do crescimento da atividade demoníaca não só nos Estados Unidos, mas no mundo de forma geral. Em entrevista, o sacerdote atribuía o fenômeno à nossa "sociedade cada vez mais secularizada, que se voltou para tabuleiros de ouija, bruxarias, astrologia, adivinhação e outras práticas ocultas", todas as quais "abrem as portas para o demoníaco".
"Há muito disso agora", ele disse. "À medida que as pessoas vão deixando de ir à igreja, essas coisas vão acontecendo."
Palavras simples as desse padre, mas de um profundo conhecimento da alma humana. Embora os ateus e secularistas se recusem a admitir, o ser humano é essencial e inevitavelmente religioso. Ao virem o esvaziamento geral das igrejas cristãs e o desenvolvimento frenético da ciência e da tecnologia, foram muitos os autointitulados "especialistas" que "profetizaram" a extinção próxima de todas as religiões. Eles acreditavam que era questão de poucas décadas (talvez anos) para que todo o mundo se tornasse ateu ou avesso a qualquer forma de religião. Hoje, no entanto, diante da ameaça islâmica, até quem não acredita em Deus está começando a repensar suas previsões.
O quadro do mundo hoje não deixa dúvidas: os "profetas" do materialismo falharam miseravelmente. Os homens não deixarão jamais de se ajoelharem diante de Deus.
O grande problema é quando os seres humanos começam a adorar deuses falsos — e é esse o drama que vive não só Oklahoma, mas o mundo inteiro. Quando "as pessoas vão deixando de ir à igreja, essas coisas vão acontecendo". Quando os indivíduos, as famílias, as empresas e os Estados deixam de adorar o verdadeiro Deus, deuses novos vão surgindo e sendo postos em seu lugar. Hoje, em Oklahoma, o que legitima o satanismo às claras é a cantilena da falsa "liberdade religiosa". Porque, afinal, se todas as religiões são boas e estão no mesmo nível, como o homem moderno adora repetir, seria "injusto" e até "discriminatório" não dar espaço também aos satanistas. Se, como dizem, não há bem nem mal, cada um decide o que é bom para si e o quer fazer de sua vida, tudo é relativo — menos, é claro, o dogma da liberdade irrestrita e irrefreável, que é absoluto —, por que não conceder aos adoradores do diabo um espaço para suas cerimônias?
Por essas e outras, é urgente que redescubramos o verdadeiro sentido da expressão "liberdade religiosa", tal como a Igreja sempre a entendeu e fez questão de repetir no Concílio Vaticano II: longe de significar uma autorização para que os seres humanos cultuem o que lhes der na telha — ideia contrária ao direito divino, de onde provém toda e qualquer lei autêntica —, ser livre nessa matéria significa que "todos os homens devem estar livres de coação, quer por parte dos indivíduos, quer dos grupos sociais ou qualquer autoridade humana" [1]. Os seres humanos "de nenhuma maneira devem ser forçados a crer, já que crer é ato da vontade" [2], como ensina Santo Tomás.
"Por sua parte", todavia — advertem os mesmos padres conciliares —, "todos os homens têm o dever de buscar a verdade, sobretudo no que diz respeito a Deus e à sua Igreja e, uma vez conhecida, de a abraçar e guardar". Com isso, permanece íntegra "a doutrina católica tradicional acerca do dever moral que os homens e as sociedades têm para com a verdadeira religião e a única Igreja de Cristo" [3].
Ouçamos, ainda a esse respeito, o que ensina o Papa Leão XIII em sua imortal encíclica "sobre a constituição cristã dos Estados":
"A liberdade, esse elemento de perfeição para o homem, deve aplicar-se ao que é verdadeiro e ao que é bom. Ora, a essência do bem e da verdade não pode mudar à vontade do homem, mas persiste sempre a mesma, e não menos imutável que a própria natureza das coisas. Se a inteligência adere a opiniões falsas, se a vontade escolhe o mal e a ele se apega, nem uma nem outra atinge sua perfeição, ambas decaem da sua dignidade nativa e corrompem-se. Não é, pois, permitido publicar e expor aos olhos dos homens o que é contrário à virtude e à verdade, e muito menos ainda pôr essa licença sob a tutela e proteção das leis. Não há senão um caminho para chegar ao céu, para o qual todos nós tendemos: é a vida exemplar. O Estado afasta-se, pois, das regras e prescrições da natureza se favorece a licença das opiniões e das ações culposas a ponto de se poderem impunemente desviar os espíritos da verdade e as almas da virtude." [4]
Essas palavras talvez soem um pouco "autoritárias" para o homem contemporâneo, acostumado às liberdades irrestritas de todo gênero. Esse argumento, porém, é o único coerente para barrar o culto público do mal, da feiúra e da mentira, que é o satanismo. Enquanto não voltarmos a entender, como o homem medieval compreendia, que a liberdade tem as suas balizas, continuaremos a resvalar cada vez mais para o abismo — se é que já não chegamos ao fundo dele.
Pensemos sinceramente nisso e unamo-nos em oração, desagravo e ação efetiva aos cristãos de Oklahoma, que estão organizando uma petição eletrônica para impedir esse tremendo ultraje de acontecer. O abaixo-assinado será endereçado, antes do dia 15, ao centro de eventos de Oklahoma, bem como às autoridades locais. A petição é de autoria da TFP dos Estados Unidos e pode ser assinada aqui.
Das ciladas do demônio,
livrai-nos, Senhor!
Por Equipe Christo Nihil Praeponere 

Terrível que as crianças aprendam gênero nas escolas, diz o Papa

“Deus criou o homem e a mulher”, disse o Papa Francisco. “Ele criou o mundo de um jeito, e nós estamos a fazer o contrário.”


Em encontro com os bispos polacos, durante recente viagem apostólica à Polônia, o Papa Francisco voltou a condenar a teoria de gênero, chamando-a uma vez mais de "colonização ideológica". O Santo Padre expressou sua preocupação especial pelas crianças, que aprendem desde cedo nas escolas que "cada um pode escolher" o próprio sexo. "Questo è terribile", ele disse.
A reunião durante a qual veio a sua declaração se deu a portas fechadas na Catedral de Wawel, em Cracóvia, na quarta-feira da semana que marcou a celebração da Jornada Mundial da Juventude, no dia 27 de julho.
O Santo Padre respondia a uma questão relativa aos refugiados na Europa, quando fez uma valiosa digressão acerca do problema das ideologias:
"Aqui gostaria de concluir com um aspecto concreto, porque por detrás dele estão as ideologias. Na Europa, nos Estados Unidos, na América Latina, na África, nalguns países da Ásia, existem verdadeiras colonizações ideológicas. E uma delas – digo-a claramente por 'nome e apelido' – é o gender! Hoje às crianças – às crianças! –, na escola, ensina-se isto: o sexo, cada um pode escolhê-lo. E por que ensinam isto? Porque os livros são os das pessoas e instituições que te dão dinheiro. São as colonizações ideológicas, apoiadas mesmo por países muito influentes. E isto é terrível. Em conversa com o Papa Bento – que está bem e tem um pensamento claro – dizia-me ele: 'Santidade, esta é a época do pecado contra Deus Criador'. É inteligente! Deus criou o homem e a mulher; Deus criou o mundo assim, assim e assim; e nós estamos a fazer o contrário. Deus deu-nos um estado 'inculto' para que o fizéssemos tornar-se cultura; e depois, com esta cultura, fazemos as coisas que nos levam ao estado 'inculto'! Devemos pensar naquilo que disse o Papa Bento: 'É a época do pecado contra Deus Criador'!"
As palavras do Papa foram reportadas mundo afora e se somam à indignação de milhões de famílias, católicas ou não, que se opõem à inclusão desses assuntos nos currículos de educação nacionais.
No Brasil, embora uma importante batalha tenha sido vencida em 2015 para barrar a teoria de gênero das escolas, a vigilância dos pais continua necessária, especialmente em relação aos livros didáticos que vão parar nas mãos das crianças. Mais do que isso, porém, é importante que as famílias estejam atentas ao conteúdo que entra em suas próprias casas, através dos meios de comunicação, pois são os seus detentores os primeiros a comprarem a ideia do gênero. A "época do pecado contra Deus Criador", como bem disse o Papa Bento XVI e confirmou o Papa Francisco, só se fortalece graças à promoção aberta, explícita e quase onipresente do mal. E de nada adiantará vencê-lo lá fora, se continuarmos a ser envolvidos pelo "espírito dos tempos" dentro de nossas próprias casas.
Por Equipe Christo Nihil Praeponere 

Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...